Rádio Web MJ

quinta-feira, 27 de abril de 2017

Representantes do CRAS e Cadastro Único de Campo Alegre participaram de II encontro estadual do BPC

Técnicas do Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), da sede e do distrito de Luziápolis, além da coordenadora do Cadastro Único, participaram do II Encontro Estadual do BPC e Cadastro Único, realizado pela Secretaria de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social (Seades), nesta quarta-feira, dia 26 de abril, na cidade de Maceió.

De acordo com a SEADES o evento contou com a participação de 250 técnicos e gestores da Assistência Social do Estado de Alagoas que puderam debater acerca das diretrizes de operacionalização e as novas regras para a concessão do Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Na abertura do evento, o secretário de Estado da Assistência e Desenvolvimento Social de Alagoas, Fernando Pereira, destacou o papel do BPC na melhoria das condições de vida de idosos e pessoas com deficiência e seu impacto na economia alagoana.

"O BPC é um benefício que muda a vida das pessoas, garante o sustento de milhares de alagoanos que estariam em situação extrema sem o benefício. Além disso, ele injeta quase R$ 110 milhões por mês na economia do Estado, gerando circulação de renda e aquecendo o comércio em dezenas de municípios. A nossa intenção, a partir das orientações do governador Renan Filho, é ampliar cada vez mais o número de beneficiários do BPC, chegando a todas as comunidades vulneráveis de Alagoas", disse Pereira.

A deputada estadual Jó Pereira, que também participou do encontro, ressaltou o empenho do Governo Federal na melhoria dos índices sociais de Alagoas. "Só vamos conseguir reduzir a desigualdade com a união. Juntos, podemos garantir recursos e mostrar a força do Suas no apoio às famílias em situação de vulnerabilidade, principalmente em Alagoas, onde tantas famílias sofrem com os efeitos da pior seca dos últimos 40 anos", lembrou a deputada.

O Benefício de Prestação Continuada garante o repasse mensal de um salário mínimo para: 1) idosos com mais de 65 anos; e 2) pessoas com deficiência incapacitadas para a vida com independência; e 3) que em ambas situações a renda familiar per capita seja inferior a ¼ do salário mínimo vigente.

A partir da Portaria Conjunta 01/2017, do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário e do Instituto Nacional de Seguridade Social, a inclusão dos beneficiários no Cadastro Único de Programas Sociais (CadÚnico) torna-se obrigatória.

A participação das técnicas do município em eventos como este referem a relevância dada  à capacitações que garantam os direitos dos cidadãos.

Nenhum comentário: