Rádio Web MJ

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Violência contra a Mulher: Secretaria da Mulher presta assistência a vítimas em Campo Alegre

No último dia 28 de janeiro do ano vigente, a senhora Roseane Elias da Silva, 35 anos, foi assassinada de forma brutal por seu ex-companheiro. Na tentativa de defender Roseane, Crislane Elias Alexandre (sua filha), 18 anos, foi atingida e socorrida, sendo levada para Unidade de Emergência de Arapiraca.

A Secretaria da Mulher, Juventude e do Idoso por meio da Consultora do Município Simone Marques, da assistente social Roberta Braga e da psicóloga Monica Rosa Nascimento, prestou serviço e apoio a família da vítima.
A priori a equipe técnica da Secretaria foi a Delegacia do município para coleta de informações bem como apurar os fatos.

No dia seguinte, a assistente social Roberta Braga realizou visita domiciliar prestando atendimento a toda família, viabilizando o auxílio funeral através da Secretaria Municipal de Assistência Social e Direito a Cidadania e disponibilizando todos os serviços socioassistenciais que a Secretaria da Mulher, Juventude e do Idoso oferece.

Vale ressaltar que a vítima, há um ano, sofria ameaças do assassino, porém, não oficializou a nenhuma instituição tais fatos.
Contudo, a Secretaria Municipal da Mulher, Juventude e do Idoso oferece nossas condolências aos entes queridos desta jovem que de forma covarde perdeu sua vida.

De acordo com a técnica Simone Marques as perguntas mais frequentes são:

1) Quais os motivos levam a mulher a não denunciar? 
Elas tem basicamente MEDO de serem assassinadas e de serem ainda mais BRUTALIZADAS. Elas têm vergonha de socialmente, perceberem que estão sendo agredidas e humilhadas. Além de outras questões ligadas ao cuidado com os filhos, dependência econômica em relação ao marido. Esse é um fator forte que inibe as mulheres, os filhos.
Além disso há o fator psicológico da reincidência em que depois da agressão a maioria dos homens pede desculpas,atribui a um fator externo,sobretudo bebida. As mulheres vão reiterando isso e se forma um ciclo vicioso do qual elas não conseguem sair.

2) A que se pode atribuir a continuidade da violência contra a mulher? 
Basicamente é uma questão cultural. Há dois lados, de uma cultura patriarcal, machista, que está em xeque, e obviamente de outro, o AVANÇO DAS MULHERES em termos sociais e culturais, maior escolaridade, maior autonomia econômica, maior DENUNCIA, ou seja, são todos aspectos ligados a cultura. A cultura machista fazia com que, anos atrás esse assunto fosse colocado debaixo do tapete. Uma violência que era visto no passado como uma violência doméstica, uma coisa entre marido e mulher. Mais ainda se dizia nesse cenário, em briga de marido e mulher, não se mete a colher.

Nenhum comentário: